A bela moleira

Song Cycle by Franz Peter Schubert (1797 - 1828)

Word count: 2627
Original language: Die schöne Müllerin

1. A Caminhada

Caminhar é a alegria do moleiro,
Caminhar!
Só pode ser um mau moleiro,
Aquele que não simpatiza com o caminhar,
Caminhar!

Nós aprendemos isso com a água,
Com a água!
Ela não descansa de dia ou de noite,
E só se foca em manter a marcha,
A água!

Nós também notamos as rodas do moinho,
As rodas!
Elas não gostam de ficar paradas,
E não se cansam durante todo o meu dia de
serviço, / As rodas.

As próprias pedras, que são tão pesadas,
As pedras!
Elas dançam em uma roda alegre
E gostariam de poder ser mais rápidas,
As pedras!

Oh, caminhar, caminhar, minha paixão,
Oh, caminhar!
Senhor mestre moleiro e senhora mestra,
Deixem-me seguir em frente em paz,
E caminhar!

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Das Wandern ist des Müllers Lust" = "Caminhar é a alegria do moleiro"
"Das Wandern" = "A Caminhada"
"Wanderschaft" = " "



2.

Eu ouvi um riacho murmurando
A partir da sua nascente nas rochas,
Murmurando para baixo, para o vale
Tão fresco e maravilhosamente claro.

Eu não sei o que me deu
E nem quem me deu esse conselho,
Mas eu também preciso ir para baixo
Apoiado em meu cajado.

Para baixo e sempre avante,
E cada vez mais próximo ao rio,
E cada vez mais fresco o murmúrio
E cada vez mais claro o rio.

É este então o meu caminho?
Oh, riacho, diga-me, para onde?
Você, com seu murmúrio
Me embriagou completamente os sentidos.

Mas por que eu chamo isso de murmúrio?
Isso não pode ser nenhum murmúrio:
É com certeza o canto das sereias
Fundo sob tua correnteza.

Cante então, companheiro, murmue
E siga viagem feliz!
Há sempre rodas de moinhos
Em todo e qualquer rio cristalino.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Go to the single-text view

Translations of title(s):
"Des Müllers Wanderlied" = " "
"Ich hört' ein Bächlein rauschen" = "Eu ouvi um riacho murmurando"
"Wohin?" = " Aonde?"
"Erinnerung" = " "



3. Pare!

Eu vi o lampejo de um moinho
De entre os amieiros,
Através de murmúrios e cantos
Rompe o rugido das rodas.

Ah, bem-vinda, ah, bem-vinda
Doce canção do moinho!
E a casa, tão acolhedora!
E as janelas, tão puras!

E o sol, tão brilhante,
Cintila desde o céu!
Oh riacho, querido riacho,
Era isso também parte do meu destino?

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


4. Agradecimento ao Rio

Meu murmurante amigo,
Era isso também parte do meu destino?
Teu canto, teu soar,
Era isso também parte do meu destino?

Vamos então rumo à moleira!
É isso que eu capto da tua mensagem.
Diga! Eu entendi certo?
Vamos então rumo à moleira!

Foi ela que te enviou?
Ou foi você que me encantou?
Eu gostaria de saber,
se foi ela que te enviou.

Mas, haja o que houver,
Eu estou dentro:
Eu encontrei o que eu estava procurando,
Haja o que houver.

Por conta disso eu trabalho com gosto,
Pois tenho o suficiente
Tanto para as mãos quanto para o coração
Mais do que o suficiente!

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


5. Na Hora do Final da Jornada

Tivesse eu mil
braços para mexer!
Pudesse meu rugido
Liderar os movimentos das rodas!
Pudesse eu soprar
Através de todos os bosques!
Pudesse eu girar
Todas as rochas!
Aí, sim, a bela moleira
Perceberia meu sentimento fiel!

Ah! Como são fracos os meus braços!
Tudo que levanto, tudo que carrego,
Tudo que corto, tudo que martelo,
Qualquer camarada faz tão bem quanto eu.
Então eu sento na grande roda,
Na hora quieta e fria do final da jornada,
E o mestre nos fala a todos:
“Estou feliz com o trabalho de vocês”;
E a querida moça diz:
“A todos uma boa noite”.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


6. O Curioso

Eu não pergunto a nenhuma flor,
Eu não pergunto a nenhuma estrela,
Nenhum deles pode me dizer
Aquilo que eu tanto gostaria de aprender.

Eu também não sou nenhum jardineiro,
E as estrelas ficam muito longe lá em cima;
Eu vou é perguntar ao meu riacho
Se meu coração me enganou.

Oh, riacho do meu amor,
Porque você está tão quieto hoje?
Eu só quero saber uma coisa,
Uma palavra, de forma definitiva.

“Sim” é essa uma palavra,
A outra se chama “Não”.
Ambas as palavras
Abarcam o mundo todo pra mim.

Oh, riacho do meu amor,
Como você está caprichoso!
Se você não vai me dizer mais nada,
Diga-me ao menos, riacho, se ela me ama.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


7. Impaciência

Eu queria entalhar em todos os troncos,
Eu queria gravar em todas as pedrinhas,
Eu queria semear em todos os campos,
Sementes de agrião, que florescem rapidamente, 
Eu gostaria de escrever em todas as folhas de papel em branco:
Teu é o meu coração e o será para sempre.

Eu gostaria de educar uma estrela jovem,
Até que ela falasse palavras fluentemente,
Até que ela falasse à minha amada com o som da minha voz, 
Com todo o ímpeto quente do meu coração; 
Então a estrela cantaria claramente através da janela dela:
Teu é o meu coração e o será para sempre.

Eu gostaria de encher meus pulmões com o vento da manhã,
E soprá-lo através do prado revolto;
Oh, se ele brilhasse desde todas as estrelas
E trouxesse a ela perfumes de perto e de longe! 
Oh, ondas, será que vocês não podem conduzi-lo como se fossem rodas?
Teu é o meu coração e o será para sempre.

Eu penso que isso deveria estar em meus olhos, 
Isso deveria ser perceptível queimando nas minhas faces,
Deveria estar legível em meus lábios silentes
E ser proclamado em cada respiração,
Mas ela não percebe nada do meu desejo ansioso:
Teu é o meu coração e o será para sempre.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Ich schnitt es gern in alle Rinden ein" = "Eu queria entalhar em todos os troncos"
"Ungeduld" = "Impaciência"



8. Saudação Matinal

Bom dia, bela moleira!
Por que você esconde a cabeça de volta tão rapidamente 
Como se algo tivesse se passado? 
Minha saudação a aborrece tão pesadamente? 
Minha imagem a perturba tanto? 
Então eu preciso ir embora.

Ó, deixe eu pelo menos ficar de longe
Olhando para a sua amada janela,
De longe, bem de longe!
Você, cabecinha loira, venha pra fora!
Pra fora da sua porta arredondada,
Vocês, estrelas azuis da manhã!

Vocês, olhinhos embriagados de sono,
Vocês, florezinhas esmaecidas pelo orvalho,
Por que o sol os intimida?
Foi a noite assim tão boa,
Que vocês, frente ao êxtase silencioso dela,
Se fecham, se abaixam e choram?

Agora agitem o seu véu de sonhos
E levantem-se frescos e livres
Na clara manhã de Deus!
A cotovia rodopia no ar
E chama desde o mais fundo do coração
As dores e os cuidados do amor.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Morgengruß" = "Saudação Matinal"
"Guten Morgen, schöne Müllerin!" = "Bom dia, bela moleira!"



9. As Flores do Moleiro

Muitas flores ficam junto ao rio,
Como se fossem claros olhos azuis;
O rio é amigo do moleiro,
E os olhos da minha amada são azuis claros,
Portanto, elas só podem ser minhas flores.

Bem embaixo da janela dela
Eu vou plantar vocês, flores, 
pra que vocês a chamem quando tudo dormir, 
quando ela enconstar a cabeça pra adormecer.
Vocês sabem, com certeza, o que eu quero dizer.

E quando ela fechar seus olhinhos
E dormir em doce, doce repouso,
Então, sussurrem a ela como em uma visão:
Não se esqueça, não se esqueça de mim!
É isso o que eu quero dizer.

E, de manhã cedo, quando ela abrir as persianas, 
Então, olhem para cima com olhar amoroso. 
O orvalho nos pequenos olhos de vocês 
Será minhas lágrimas, 
Que vou chorar sobre vocês.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Des Müllers Blumen" = "As Flores do Moleiro"
"Müllers Blumen" = "As Flores do Moleiro"



10.

Nós sentamos aconchegados, lado-a-lado,
No frio caramanchão de amieiros.
Nós miramos aconchegados, juntos,
O rio fluente lá embaixo.

A lua também se juntou a nós,
Seguida pelas estrelas.
E miraram aconchegadas, juntas,
O espelho prateado lá embaixo.

Eu não vi nenhuma lua,
Nenhuma luz de estrelas.
Eu somente mirei tua imagem,
Unicamente teus olhos.

E os vi acenando e olhando
Aqui pra cima desde o abençoado rio.
Aquelas florezinhas azuis junto à margem
Acenavam e olhavam para ela.

E parecia que o céu todo
Estava submerso no rio,
E queria me atrair para baixo
Até as suas maiores profundezas.

E, além das nuvens e estrelas,
Lá fluía alegremente o rio
E chamava com seus cantos e sons:
Amigo, amigo, venha a mim!

E então meus olhos se encheram
E o reflexo no espelho se tornou tão encrespado; 
Ela disse: vai chover,
Tchau, eu vou pra casa.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Tränenregen" = "Chuva de Lágrimas"
"Wir sassen so traulich beisammen" = " "
"Thränenregen" = "Chuva de Lágrimas"



11. Minha!

Riacho, pare com o murmúrio!
Rodas, cessem seus rugidos!
Todos vocês, pássaros selvagens,
Grandes e pequenos,
Calem suas melodias!
Através do prado,
Por todos os lados,
Ressoa somente uma rima:
A amada moleira é minha!
Minha!
Primavera, são essas todas as suas flores?
Sol, você não tem nenhum brilho maior?
Ah, então eu tenho que ficar sozinho,
Com essa palavra abençoada - “minha” -
Incompreendido em toda a vasta criação.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


12. Pausa

Eu pendurei meu alaúde na parede
E o entrelacei com uma fita verde -
Eu não posso mais cantar, meu coração está cheio demais,
Não sei como é que posso forçar uma rima.
A escaldante dor do meu desejo 
Eu conseguia pôr para fora em canções jocosas,
E quando eu lamentava de forma doce e refinada 
Eu acreditava que minha dor não era pequena.
Ai! Quão grande é a carga da minha alegria,
Que nenhum som na terra a pode abarcar?

Agora, caro alaúde, descanse pendurado nesse prego aqui! 
E se uma brisa soprar sobre suas cordas 
E se uma abelha te roçar com suas asas,
Então eu vou ficar completamente tomado de medo.
Por que é que eu deixei a fita pendurada por tanto tempo?
Frequentemente a fita passa pelas cordas fazendo um som de suspiros.
É esse o eco da minha dor de amor?
Seria esse o prelúdio de novas canções?

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


13. Com a fita verde do alaúde

“Que triste que essa linda fita verde
esteja desbotando aqui na parede,
Eu gosto muito de verde!”
Assim você me disse hoje, minha querida;
Eu com certeza a desataria e a daria pra você:
Então, você teria o verde de que gosta tanto!

Mesmo estando teu amante completamente branco, 
O verde também merece seu prêmio, 
E eu também gosto dele.
Porque nosso amor é verdejante,
Porque de verde florescem as distantes esperanças, 
Então nós gostamos dele.

Portanto, enrole nos seus cachos
A fita verde que tanto te agrada,
Sim, você gosta muito de verde.
Aí eu saberei onde mora a esperança,
Aí eu saberei onde reina o amor,
Aí eu terei o verde como cor favorita.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


14. O Caçador

O que é que o caçador quer aqui no rio perto do moinho?
Caçador ousado, fique no seu território!
Aqui não tem caça nenhuma pra você,
Aqui somente mora uma pequena corça domesticada que é minha.
Se você quer ver essa delicada corça,
Então deixe suas armas lá na floresta,
E deixe seus cachorros barulhentos em casa,
E deixe de assobiar e zumbir na sua trompa,
E tire essa barba bagunçada das suas faces,
Ou a corça vai verdadeiramente fugir do jardim.

Ou melhor, fique na floresta
E deixe o moinho e o moleiro em paz.
O que estaria um peixe fazendo no meio de galhos verdes?
O que estaria querendo um esquilo em um lago azul?
Então fique no bosque, ousado caçador,
E me deixe só com minhas três rodas;
E se você quer que minha amada se apaixone por você,
Então saiba, meu amigo, o que é que atormenta o coração dela:
São os javalis que vêm do bosque durante a noite
E invadem o jardim de repolhos dela
E chutam e cavam por todo lado no campo,
Atire nos javalis, ó herói caçador!

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


15. Ciúme e Orgulho

Aonde você vai tão rápido, tão agitado e feroz, 
meu amado rio? Você está se lançando em ira atrás do atrevido irmão caçador?
Volte, volte e ralhe primeiramente com a tua moleira, 
Por causa dos seus flertes leves, soltos e discretos.
Você não a viu ontem à tardinha em pé junto à porta,
Esticando seu pescoço comprido para poder ver a rua larga?
Quando um caçador, todo feliz, retorna para casa depois da caça,
Nenhuma criança decente põe a cabeça pra fora da janela.
Vai, riacho, e diga isso pra ela; mas não diga nada,
Escute-me, nenhuma palavra sobre a minha face triste.
Diga a ela: ele está sentado junto a mim fazendo uma flauta
E ele vai tocar belas danças e canções para as crianças.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on


16. A cor amada

Eu vou me vestir de verde,
De verdes salgueiros chorosos:
Minha querida gosta tanto de verde.
Vou procurar um bosque de ciprestes,
Um prado de verdes alecrins:
Minha querida gosta tanto de verde.

Boa sorte com a alegre caçada!
Boa sorte através dos campos e prados!
Minha querida gosta tanto de caça.
A presa que eu caço é a morte;
O campo, eu o chamo de misérias do amor:
Minha querida gosta tanto de caça.

Abra uma cova pra mim na relva,
Cubra-me com gramado verde:
Minha querida gosta tanto de verde.
Nenhuma cruz preta, nenhuma florzinha colorida,
Verde, tudo verde por todo o lado!
Minha querida gosta tanto de verde.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"In Grün will ich mich kleiden" = "Eu vou me vestir de verde"
"Die liebe Farbe" = "A cor amada"



17.

Eu gostaria de me lançar pelo mundo,
Aí afora pelo vasto mundo,
Se ao menos não fosse verde, tão verde,
Pelos campos e florestas!

Eu gostaria de arrancar as folhas verdes de todos os ramos,
Eu gostaria de chorar sobre todas as verdes gramíneas
Até elas ficarem pálidas como a morte.

Ah, verde, você que é uma cor odiada,
Por que você fica sempre me olhando
Tão orgulhoso, altivo, tão maldoso,
A mim, pobre homem esbranquiçado?

Eu gostaria de deitar em frente à porta dela
Na tempestade, na chuva e na neve.
E cantaria muito levemente dia e noite
Uma única palavra: adeus!

Ouça, quando na floresta uma trompa de caça soa,
então acontece um estalo na janela dela!
E mesmo que ela não olhe pra mim,
Ainda assim eu posso vê-la.

Oh, desate da sua testa
Essa fita tão verde;
Adeus, adues! E estenda a mim
Sua mão como despedida!

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Die böse Farbe" = "A Cor Odiada"
"Der Müller" = " "



18. Flores secas

Todas vocês, florezinhas,
Que ela me deu,
Vocês deverão ser colocadas
Comigo em meu túmulo.

Por que vocês todas me parecem
Tão aflitas,
Como se sobessem
O que se passa comigo?

Todas vocês, florezinhas,
Quão murchas, quão pálidas?
Todas vocês, florezinhas,
Por qual motivo estão tão molhadas?

Ah, lágrimas não fazem
O mês de maio enverdecer,
Não fazem o amor morto
Florescer novamente.

E a primavera virá,
E o inverno passará,
E florezinhas ainda
Estarão em pé na relva.

E florezinhas deitam
No meu túmulo,
Todas as florezinhas
Que ela me deu.

E quando ela passear
Por perto da colina
E pensar lá no fundo do seu coração:
Ele era realmente fiel!

Então, florezinhas todas,
Pra fora, pra fora!
O mês de maio chegou,
O inverno acabou.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Die Blumen" = " "
"Müllers trockne Blumen" = " "
"Trockne Blumen" = "Flores secas"



19.

O Moleiro:
Quando um coração fiel
Esmaece por amor,
Então os lírios murcham
Em todos os canteiros;
Então a lua cheia tem que
Ir para trás das nuvens,
Para que suas lágrimas
Não sejam vistas pela humanidade;
Então os anjinhos fecham
Os seus olhos
E soluçam e cantam
Essa alma para o seu descanso.

O Rio:
E quando o amor
Se livra da dor,
Uma pequena estrela, um nova,
Pisca no céu;
Então três rosas,
Metade vermelhas e metade brancas,
Que nunca murcham,
Saltam dos rebentos espinhosos.
E os anjinhos cortam
Suas próprias asas
E vêm todas as manhãs
Aqui para baixo na terra.

O Moleiro:
Ah, riacho, querido riacho,
Você o diz muito bem:
Ah, riacho, mas você sabe
Como é que o amor procede?
Ah, embaixo, bem lá embaixo
O frio repouso!
Ah, riacho, querido riacho,
Somente cante para mim.

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Der Müller und der Bach" = "O Moleiro e o Rio"
"Wo ein treues Herze" = "Quando um coração fiel"
"Wo ein treues Herze in Liebe vergeht" = "Quando um coração fiel Esmaece por amor,"



20. A Canção de Ninar do Rio

Bom descanso, bom descanso!
Feche os olhos!
Cansado caminhante, você está em casa.
Aqui está a fidelidade,
E você vai se deitar comigo,
Até que o mar beba o riacho.

Eu vou fazer para você uma cama fria
Sobre um travesseiro suave
Nas câmaras azuis cristalinas.
Venham, venham,
Todos que sabem ninar,
Embalem e nanem meu garoto!

Se uma trompa de caça soar
De dentro da floresta verde,
Eu vou zumbir e assobiar aqui em volta de 
você.
Não olhem pra cá,
Pequenas flores azuis!
Vocês tornam os sonhos do meu adormecido
muito pesados.

Vá embora, vá embora
Da ponte do moinho,
Garota má! Pra que a tua sombra não o
acorde!
Lance aqui para dentro de mim
Tua lenço fino,
Pra que eu mantenha os olhos dele cobertos.

Boa noite, boa noite!
Até que tudo acorde,
Durma até o fim a sua alegria, durma até o
fim a sua dor!
A lua cheia sobe,
O nevoeiro cede,
E o céu lá em cima, quão vasto ele é!

Authorship

  • Translation from German (Deutsch) to Portuguese (Português) copyright © 2019 by Caê Vieira, (re)printed on this website with kind permission. To reprint and distribute this author's work for concert programs, CD booklets, etc., you may ask the copyright-holder(s) directly or ask us; we are authorized to grant permission on their behalf. Please provide the translator's name when contacting us.
    Contact: 

Based on

Translations of title(s):
"Des Baches Lied" = " "
"Des Baches Wiegenlied" = "A Canção de Ninar do Rio"