The LiederNet Archive
WARNING. Not all the material on this website is in the public domain.
It is illegal to copy and distribute our copyright-protected material without permission.
For more information, contact us at the following address:
licenses (AT) lieder (DOT) net

Modinhas e canções (Álbum n.1)

Word count: 414

Song Cycle by Heitor Villa-Lobos (1887 - 1959)

Not all available information for this cycle is visible. Return to normal display.

1. Canção do marinheiro


Hunha moça namorada dizia 
hum cantar damôr e diss'ella 
Nostro senhor, oj'eu fosse aventurada e
que visse o meu amigo
como eu este cantar digo, Ah!
Tres moças cantavam d'amôr 
mui fremosinhas pastoras
mui coytadas dos amôres 
e diss'endunha m'ha senhor:
Dizede, amigas, comigo 
o cantar do meu amigo Ah!


2. Lundú da Marqueza de Santos


Minha flôr idolatrada
Tudo em mim é negro e triste
Vive minh'alma arrasada Ó Titilia
Desde o dia em que partiste
Este castigo tremendo
já minh'alma não resiste, Ah!
Eu vou morrendo, morrendo
Desde o dia em que partiste

Tudo em mim é negro e triste
Vive minh'alma arrasada, Ó Titilia!
Desde o dia em que partiste
Tudo em mim é negro e triste
Este castigo tremendo, tremendo.

Minha flôr idolatrada
Tudo em mim é negro e triste
Vive minh'alma arrasada Ó Titilia
Desde o dia em que partiste
Este castigo tremendo
já minh'alma não resiste, Ah!
Eu vou morrendo, morrendo
Desde o dia em que partiste
Ó titilia


3. Cantilena

Subtitle: Um canto que saiu das senzalas


O Rei mandou me chamá
O Rei mandou me chamá,
P'ra casar com sua fia
Só de dóte ele me dava
Só de dóte ele me dava
Óró pa França Baia
Me alembrei do meu ranchinho,
Da róça do meu feijão
O Rei mandou me chamá
Ai! Seu Rei não quero não.
Ai! Seu Rei não quero não.


4. A gatinha parda


A minha gatinha parda
Em Janeiro me gufiu,
Quem achou minha gatinha,
Você sabe? Você sabe? Você viu?
Miáu!


5. Remeiro de S. Francisco


Oh! Lêlê dia!
Que é que tem cara vermeia?
Meu sinhô que me vendeu
Com toda carregação
Oh! Lêlê dia!


6. Nhapôpé


Ouvi contar certa noite 
   num terreiro
quando a lua em farinheiro
   penerava pelo chão
Que Nhapôpé quando
   senta a aza ferida
vae buscar résto de vida 
   no calor de um coração
Você é Nhapôpé sou teu
   amande de mim tem fé!


7. Evocação


Numa noite estrelada de Maio
Sua boca beijei a sonhar
E o perfume do seu quente seio
Pouco a pouco me fez delirar.
Eu senti neste doce momento!
Que a vida p'ra mim era o amor de você.

Nos seus belos cabelos de ouro
Onde o sol se reflete a brilhar
Eu quizera poder meu tesouro,
Entre eles viver ou morrer,
Mas o sonho tão lindo findou-se!
E eu vivo a chorar meu amor por você.

No horizonte azul deste céo
Vivo a recordar meu amor.
Sempre tão distante
Do meu triste olhar
Como a ilusão deste amor,
Ah! Da recordação viverei.
E serei feliz em sonha
Dentro do amor da ilusão...
Assim viver, por você. Ah!


Gentle Reminder
This website began in 1995 as a personal project, and I have been working on it full-time without a salary since 2008. Our research has never had any government or institutional funding, so if you found the information here useful, please consider making a donation. Your gift is greatly appreciated.
     - Emily Ezust

Browse imslp.org (Petrucci Music Library) for Lieder or choral works