by Osório Duque Estrada (1870 - 1927)

Dolor supremus
Language: Portuguese (Português) 
Aos corações que vivem na amargura
Ouvi dizer mais de uma vez: "O amor
é das noites a noite mais escura,
Das dores todas a suprema dor."

E eu a alheia miséria contemplando,
A mim mesmo sorrindo perguntava:
"Quando o acharás também, minh'alma, quando
do seu poder hás de cair escrava?"

Mas quando nem supunha certamente
Que pudesse ser presa desse mal,
Feriu-me o peito inesperadamente
A mesma dor insólita e brutal.

Busquei na ausência o bálsamo do tédio
Consolo à mágoa lenitivo ao pranto
E pior do que o mal foi o remédio,
Que eu não supunha que amargasse tanto.

Authorship:

Musical settings (art songs, Lieder, mélodies, (etc.), choral pieces, and other vocal works set to this text), listed by composer (not necessarily exhaustive):


Researcher for this text: Emily Ezust [Administrator]

This text was added to the website: 2010-07-18
Line count: 16
Word count: 101