Dezesseis melodias do passado com acompanhamento novo, Álbum n. 2

Song Cycle by Ernst Widmer (1927 - 1990)

Word count: 290

1. As duas flores (Modinha) [sung text not yet checked]

São duas flores unidas,
São duas rosas nascidas
Talvez no mesmo arrebol,
Vivendo no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

Unidas, bem como as penas
Das duas asas pequenas
De um passarinho do céu...
Como um casal de rolinhas,
Como a tribo de andorinhas
Da tarde no frouxo véu.

Unidas, bem como os prantos,
Que em parelha descem tantos
Das profundezas do olhar...
Como o suspiro e o desgosto,
Como as covinhas do rosto,
Como as estrelas do mar.

Unidas... Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver, qual vive esta flor.
Juntar as rosas da vida
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor!

Authorship

See other settings of this text.

Researcher for this text: Emily Ezust [Administrator]

2. Morena, morena (Modinha) [sung text not yet checked]

— This text is not currently
in the database but will be added
as soon as we obtain it. —

Authorship

3. Sonhei [sung text not yet checked]

— This text is not currently
in the database but will be added
as soon as we obtain it. —

Authorship

4. As saudades do meu bem [sung text not yet checked]

— This text is not currently
in the database but will be added
as soon as we obtain it. —

Authorship

5. Eu sou como a garça triste [sung text not yet checked]

— This text is not currently
in the database but will be added
as soon as we obtain it. —

Authorship

6. Frio manto de estrelas bordado [sung text not yet checked]

— This text is not currently
in the database but will be added
as soon as we obtain it. —

Authorship

7. Courana [sung text not yet checked]

— This text is not currently
in the database but will be added
as soon as we obtain it. —

Authorship

8. Se eu fora poeta [sung text not yet checked]

— This text is not currently
in the database but will be added
as soon as we obtain it. —

Authorship

9. Amanhã [sung text not yet checked]

Amanhã! -- é o sol que desponta,
É a aurora de róseo fulgor,
É a pomba que passa e que estampa
Leve sombra de um lago na flor.
 
Amanhã! -- é a folha orvalhada,
É a rola a carpir-se de dor,
É da brisa o suspiro, -- é das aves
Ledo canto, -- é da fonte -- o frescor.
 
Amanhã! -- são acasos da sorte;
O queixume, o prazer, o amor,
O triunfo que a vida nos doura,
Ou a morte de baço palor.
 
Amanhã! -- é o vento que ruge,
A procela d'horrendo fragor,
É a vida no peito mirrada,
Mal soltando um alento de dor.
hã! -- é a folha pendida.
É a fonte sem meigo frescor,
São as aves sem canto, são bosques
Já sem folhas, e o sol sem calor.
 
Amanhã! -- são acasos da sorte!
É a vida no seu amargor,
Amanhã! -- o triunfo, ou a morte;
Amanhã! -- o prazer, ou a dor!
 
Amanhã! -- o que val', se hoje existes!
Folga e ri de prazer e de amor;
Hoje o dia nos cabe e nos toca,
De amanhã Deus somente é Senhor!

Authorship

Researcher for this text: Emily Ezust [Administrator]